A LINHA DO TEMPO

NA HISTÓRIA DE BROTAS

 

1760

Tem início o desenvolvimento do ciclo do açúcar em São Paulo.

Fim do século XVIII - O português José Ribeiro da Silva Reis, residente na cidade de São Paulo, tem notícia de umas terras sem dono nas bandas do sertão de "Aracoara". Justamente no local onde hoje se acha a cidade de Brotas constrói a casa de sua moradia.

1800

Decadência do ciclo do ouro.

1819

Morre Antônio Ribeiro da Silva. proprietário de sesmaria em terras onde hoje se localiza Brotas. Comparar esta informação, encontrada no Arquivo do Estado de São Paulo, com documento de 01/03/1848 do Segundo Cartório de Notas de Brotas. Elas são contraditórias.

1822

Independência do Brasil. Inicia-se o período Imperial.

1830

Restrições ao tráfico de escravos negros africanos ao Brasil.

1836

A lavoura de café atinge o apogeu econômico no vale do Paraíba.

1839

Dona Francisca Ribeiro dos Reis manda construir uma capela, iniciando a povoaçâo de Brotas.

1841

A Câmara Municipal da Vila de Araraquara define e encaminha ao presidente da Província as divisas de seus quatro distritos, entre eles Brotas:

"Das cabeceiras do ribeirão chamado Taycuru, por ele abaixo até o ribeirão do Lobo, por este até o rio Jacaré, por este até o ponto onde mora Ignácio de Siqueira Prado e daí seguindo o caminho que segue para a Capela das Brotas, e por este até o alto que faz contra-vertentes do Jacaré Grande ao Pepira e por este espigão de vertentes e contra-vertentes até o rio Tietê ficando pelos lugares mencionados pertencendo ou formado Distrito da Capela das Brotas dado que lhe fica próximo".

1842

Em 14 de fevereiro o Bispo de São Paulo autoriza a ereção de capela no bairro das Brotas com invocação de N. S. das Dores.

Em 21 de fevereiro os moradores do bairro das Brotas solicitam ao Bispo de São Paulo que seja concedida a benção à capela que se acha concluída.

Em 22 de fevereiro o Bispo D. Manuel Joaquim Gonçalves de Andrade concede a faculdade ao Pároco de Araraquara ou outro Reverendo Sacerdote para benzer a capela de Brotas no Ritual Romano.

1843

Em 30 de agosto o Bispo Dom Manuel Joaquim Gonçalves de Andrade declara em Capela Curada a Capela de Nossa Senhora das Dores das Brotas.

Em 11 de novembro, a Câmara Municipal da Vila de Araraquara responde favoravelmente ao pedido dos moradores de Brotas onde solicitavam a criação dos cargos de Juiz de Paz e Subdelegado. Há número suficiente de casas e homens para criarem os empregos que requerem.

1846

Missionários Capuchinhos erguem um cruzeiro em Brotas, onde foi construída posteriormente a capela de Santa Cruz.

Em 04 de fevereiro a Câmara Municipal da Vila de São Bento de Araraquara informa ao presidente da Província haver na Capela de Brotas de 400 a 500 fogos (casas) e 4.000 a 5.000 almas (pessoas).

Em 06 de março a Capela de Brotas é elevada a Freguesia e a Distrito de Paz. no Município de Araraquara.

Em 27 de julho a Câmara Municipal da Vila de Araraquara participa ao presidente da Província a realização da eleição para juizes de paz para a Capela Curada de Nossa Senhora das Brotas no dia 21/ 06/ 1846 na qual são eleitos os cidadãos: Manoel Joaquim Simões, Francisco Martins Borges, Manoel da Guerra Camargo e José Venâncio Carneiro.

1848

Por donativos de dona Francisca Ribeiro dos Reis, tem começo a construção da primeira Igreja Matriz, num largo da cidade.

Em 1 de março Antônio Ribeiro da Silva manda lançar escritura de doação de terras a favor de Francisca Ribeiro. Comparar esta informação, encontrada no Segundo Cartório de Notas de Brotas. com o dado de 1819. Elas são contraditórias.

1849

Em 13 de janeiro a Câmara Municipal da Vila de Araraquara solicita ao presidente da Província dinheiro para a construção da Matriz "que se acha em trabalho e cuja povoação com brevidade torna-se rica e populosa".

1850

Lei Eusébio de Queirós extingue o tráfico negreiro.

O Brasil é o maior produtor mundial de café.

Promulgação da Lei de Terras, que estabelece a compra formalizada como único meio legal para aquisição de terras devolutas. Em Brotas, como em todas as localidades, procede-se ao registro e demarcação de todas as propriedades.

1853

Em 10 de março, pela Lei n2, a Freguesia de Brotas é desmembrada do Município de Araraquara e anexada ao de Rio Claro.

1859

Em 14 de fevereiro, pela Lei n 01, Brotas torna-se Município, sendo instalado apenas em agosto. Por essa mesma lei a Freguesia de Brotas é elevada à condição de Vila.

Em 22 de agosto. reune-se a primeira Câmara Municipal da Vila de Brotas. É decidido solicitar ao presidente da Província licença para utilizar-se em Brotas, provisoriamente, do Código de Posturas da Câmara Municipal do Rio Claro.

A Primeira Câmara Municipal é constituída pelo presidente Juventino de Paiva Bueno e pelos vereadores Florêncio Francisco da Silva Terra, Francisco Antônio Machado Jr., Joaquim de Oliveira Matozinho, José Antônio de Almeida Leite, Severino José de Gouveia e Antônio Joaquim de Camargo.

1863

Em 15 de julho é solicitada vacina para evitar uma eminente epidemia de varíola em Brotas, dada a comunicação freqüente com Limeira, onde a doença já havia se espalhado.

1864

Em 10 de abril, o Rev. José Gonçalves, vigário encomendado da Vila de Brotas, recebe ordens do Bispo de São Paulo para benzer o novo cemitério e a capela "fundada no recinto do mesmo". O que só se concretizará em 1867.

Em 28 de setembro, Rev. José Manoel da Conceição resigna ao cargo de Vigário de Brotas e a batina nas mãos do Bispo D.Sebastião Pinto do Rego. Só dois anos mais tarde é que vem a sentença de excomunhão.

1865

Em 05 de fevereiro, o missionário presbiteriano Blackford inicia suas pregações em Brotas na casa de Antônia Justina do Nascimento, estando presentes dez pessoas. Mais tarde, pregou na casa de Manuel José Ribeiro para 15 pessoas e, em outra ocasião, para 30 pessoas na mesma casa. Em outubro, José Manuel da Conceção está pregando em Brotas como evangélico.

Em 12 de junho, são realizados investimentos nas estradas de terra que partem de Brotas a Rio claro e a freguesia do Jaú.

Em 13 de novembro acontece a primeira reunião visando a organização da Igreja Evangélica Presbiteriana de Brotas.

Em dezembro, o Rev. José Manoel da Conceção é ordenado ministro do Evangelho pelo Presbitério do Rio de Janeiro, reunido na cidade de São Paulo.

1867

Em 18 de abril, é copiada no Livro Tombo da Paróquia de Brotas a circular de 19 de fevereiro de 1867 da sentença da excomunhão do padre José Manuel da Conceição. Segundo a circular, o padre é acusado solenemente em 15 de dezembro de 1865 pelo Dr. Promotor Eclesiástico e condenado em 30 de outubro de 1866.

1870

Criação do Partido Republicano em São Paulo.

Início da imigração italiana em grande escala para as fazendas de café de São Paulo.

1871

Formação da Associação Auxiliadora da Colonização por grandes fazendeiros do Oeste paulista.

Aprovação da Lei do Ventre Livre, dando liberdade aos filhos de escravos.

1872

O total da população de Brotas é 7.116 habitantes, destes 1.383 são escravos.

1873

O município de Brotas cultiva café, cana de açucar e cria-se gado.

O vigário encomendado Antônio Esperança encaminha ao presidente da Província estatística de batizados e óbitos de filhos de mulher escrava declarados livres pela Lei de 28/09/1871, desde outubro de 1871 a fevereiro de 1873. Total de batizados= 51. Total de óbitos= 2.

1874

Fundação da Loja Maçônica Ganganelli II.

O reverendo vigário padre Antônio Esperança auxiliado pelo Governo Provincial e pelos fiéis, aumenta o último lance da Igreja Matriz onde são levantadas as torres.

Início da construção da capela de Santa Cruz com auxílio de esmolas angariadas pelo Capitão Joaquim Dias de Almeida.

1875

Carta do presidente da Câmara Municipal, José Ribeiro de Barros solicitando ao presidente da Província aprovação de compra de um terreno particular às margens do rio Jacaré ou a desapropriação de área "em que possa a população tirar água para o gasto, para a lavagem de roupa e bebedouro aos animais dos tropeiros e boiadeiros (...)".

Em 30 de outubro, comerciantes requerem direito de vender produtos agrícolas na estrada, proibido pelo código de Posturas.

1876

O padre Tadei, missionário, recoloca uma Santa Cruz onde 30 anos antes os Capuchinhos haviam erguido a primeira, que então estava deteriorada.

Brotas tem duas escolas públicas primárias para ambos os sexos.

1877

Em 14 de dezembro, ofício da Câmara Municipal da Vila de Brotas pedindo urgência nas obras de manutenção da estrada de Brotas-Rio Claro e a construção de uma ponte sobre o ribeirão do Gouveia: "(...) cuja estrada é muito freqüentada por carreiros e tropeiros, no carreto de café e outros gêneros para a Estação da Estrada de Ferro do Rio Claro".

1878

Benedito Calixto de Jesus é secretário Eleitoral em Brotas, na primeira e segunda secção.

1880

Finalizada a construção da capela de Santa Cruz.

1884

Pedido a Cia. Rio Claro para que a estaçáo do ramal da Estrada de Ferro que vai ser construída em direção a esta vila seja colocada em local mais próximo que for possível desta vila, indicando o pasto pertencente aos herdeiros de Francisca Bruna (Bueno?) da Silva.

1885

Lei dos Sexagenários ou Lei Saraiva-Cotegipe, concede liberdade aos escravos negros com mais de 60 anos.

Em 1 de julho a Cia. Estrada de Ferro Rio Claro inaugura a Estação de Campo Alegre.

Em 1 de agosto a Cia. Estrada de Ferro Rio Claro inaugura a Estação de Brotas.

1886

Formação da Sociedade Promotora da Imigração em São Paulo, pelos fazendeiros do Oeste, através da qual o Governo Provincial destina grande verba para a imigração.

O vale do Paraíba deixa de ser o maior produtor de café, entrando numa fase de declínio econômico.

Realização da Primeira Festa de Santa Cruz.

1888

Abolição da escravatura.

É criado o Lazareto para internação dos doentes de bexiga (varíola).

Há uma primeira tentativa de fundir as empresas Cia. Paulista e Cia. Estrada de Ferro Rio Claro, o que acaba não se realizando.

1889

Proclamação da República.

Cherubim Vieira de Albuquerque toma parte ativa na política local, por ocasião da proclamação da República. O Governo Provisório do município após a Proclamação da República foi constituído por Amador Flávio Simões, José Rufino de Cerqueira Leite e Cherubim Vieira de Albuquerque.

A Cia. Estrada de Ferro Rio Claro é adquirida pelos ingleses English Bank of Rio de Janeiro Limited e passou a chamar-se The Rio Claro São Paulo Railway.

1890

É criado o conselho de Intendência Municipal, que substitui por decreto a Câmara Municipal. Faziam parte: Joaquim Dias de Almeida, Joaquim Costa e Silva, José Joaquim Correa da Rocha, Antônio Lopes Pedroso, Júlio de Albuquerque, Amador Flávio Simões, Theodoro da Silva Bayma, Emídio Antônio de Cerqueira Leite, Francisco José de Oliveira Castro e José Cesarino.

Brotas tem 9.507 habitantes.

1891

Promulgação da Primeira Constituição Republicana do país.

1892

Inauguração da Estação de Brotas, mais próxima à cidade, onde hoje está a Escola Álvaro Callado.

Aquisição da The Rio Claro São Paulo Railway Company pela Cia. Paulista.

Em 25 de agosto, pela Lei n 80 é criada a Comarca de Brotas.

1894

Em 14 de maio, a Lei Municipal de n 16 concede foros de cidade à sede municipal de Brotas.

Surge o jornal Gazeta de Brotas, editado por Machado (Manuel) de Souza Leite.

1895

Oficio da Câmara Municipal de Brotas para presidente e membros do Congresso Estadual. Solicita a criação de mais cinco escolas preliminares: uma de cada sexo para a cidade; uma feminina na sede do distrito de paz de São João Baptista de Dourado; uma de sexo masculino para o bairro de São João Baptista de Bebedouro; uma escola mista em Campo Alegre; e uma escola noturna para adultos na cidade.

Assinados contratos para iluminação pública por meio de lampiões, abastecimento de água, rede de esgotos, parapeitos e soalhos para a ponte do rio Jacaré.

A população analfabeta atinge 7.998 pessoas em uma população de pouco mais de dez mil habitantes.

1896

O Governo incentiva a imigração européia espontânea por meio de propaganda.

Em 1 de dezembro, a Cia. Paulista inaugura a Estação de Espraiado.

1897

Em 1 de fevereiro, a Cia. Paulista inaugura a Estação de Canela.

Em 13 de maio é fundado o Grêmio Literário e Recreativo Brotense.

1899

Fundação da Società Alta Itália Lavoro e Soccorso.

Publica-se o jornal O Município, de que era proprietário o vigário Alvim.

Já circula O Correio Brotense, sendo seus fundadores Joaquim Ribeiro dos Santos, Idilio Marques, Vicente Netto e Gustavo Machado. Posteriormente é adquirido por João Patrício de Oliveira.

Inicia-se a publicação do jornal A cidade de Brotas, de que era redator-gerente Ernesto A. Dias de Almeida.

1900

Em 5 de maio, é inaugurada a distribuição de água à domicilio.

Brotas tem 10.029 habitantes.

1901

Em 1 de julho, a Cia. Paulista inaugura a Estação de Aterrado.

Brotas produz 400.000 arrobas de café.

1902

Brotas produz 314.866 arrobas de café.

Publica-se O Porvir. É seu proprietário Júlio do Amaral, sendo redator João de Castro Gonçalves.

1903

Brotas produz 285.000 arrobas de café.

Dados estatísticos mostram 223 alunos matriculados nas escolas públicas de Brotas. Os professores São: Maria Luisa de Oliveira, Rosina Pieri, M. Meneses, Mário Magalhães, Joviniano Pinto e Euclides Oliveira.

É fundado o Esporte Clube Brotense.

1904

Brotas produz 300.000 arrobas de café.

1905

A população do município oscila entre 15 a 18 mil habitantes, e a da cidade é de 2 mil.

A cidade possui canalização de água potável captada no Córrego das Pedras, distante seis quilômetros da caixa e trazida por meio de canos de cimento.

A iluminação pública, e grande parte da particular, ainda é do sistema Devoe's Briliant Oil. Para fazer luz nas ruas há 92 lampiões. Algumas casas comerciais possuem aparelhos de acetileno.

Oficio da Câmara Municipal ao Dr. Jorge Tibiriçá, presidente do Estado, felicitando-o pelas medidas de valorização do café.

Brotas possui três jornais: O Correio Brotense, A Justiça, O Ferrão.

Iniciada a instalação de uma empresa telefônica com direito de exploração de dez anos para o contratante Luís Teixeira de Almeida Barros. De início tem 23 assinaturas.

Brotas produz 332.170 arrobas de café.

Em 17 de julho é criada a Conferência Vicentina do Sagrado Coração de Jesus que tem como objetivo dar ajuda à velhice desvalida.

1906

Brotas produz 500.000 arrobas de café.

1908

A Diocese de São Paulo é elevada à Arquidiocese e, com isso, a organização das paróquias fica alterada, ligando-se às Dioceses Regionais. Nessa data, a Paróquia de Brotas passa à Diocese de São Carlos.

1910

A Câmara Municipal de Brotas solicita ao Secretário da Fazenda Olavo Egydio de Souza Aranha sua interferência para aumentar a quantidade de hectares de pés de café permitido para o plantio considerando que: a produção do café no Estado de São Paulo está em pleno declínio; o consumo de café tem aumentado dia-a-dia e também o estoque mundial está abaixando consideravelmente. Diante deste quadro diz não mais justificar uma lei que tolha a liberdade de se fazerem novas plantações de café.

1911

Em 12 de novembro. é inaugurada a iluminação pública.

1912

Em 15 de janeiro, é inaugurado o Grupo Escolar de Brotas.

1914

Eclosão da I Guerra Mundial.

Em 8 de janeiro, circula o primeiro número do jornal O Imparcial, de propriedade de Abilio Marques Costa.

1915/16

Brotas produz 535.790 arrobas de café.

1916

Estabelecimento de trens noturnos nas linhas de bitola métrica de Rio Claro a Barretos e a Jaú e Bauru.

1916/17

Brotas produz 434.960 arrobas de café.

1917

O Congresso aprova lei de auxilio à lavoura do café.

1917/18

Brotas produz 420.000 arrobas de café.

1918

Forte geada prejudica grande parcela dos cafezais paulistas.

1918/19

Brotas produz 250.000 arrobas de café.

1919

Em 16 de setembro, o asilo Anália Franco, depois de ter funcionado por aproximadamente dez anos, é fechado e suas asiladas transferidas para Pederneiras.

 

Brotas produz 158.000 arrobas de café.

1920

Brotas tem 18.305 habitantes.

 

Contrato com a Rio de Janeiro and S.Paulo Telephon Company para a exploração do serviço telefônico do município.

1920/21

Brotas produz 422.000 arrobas de café.

1924

Uma praga que ataca os pés de café, a broca, é descoberta numa fazenda em Campinas e se espalha rapidamente pelo Estado. O Governo Estadual cria uma comissão de cientistas para combater a praga.

 

O Bispo Diocesano D. José M. H. de Melo realiza a bênção solene da parte reconstruída da Matriz, do altar mór ao cruzeiro.

1927

Em 31 de março, inicia-se a publicação de O Progresso. É seu diretor-proprietário João Pacheco de Morais, revisor Emilio Reimão, gráficos João Pacheco, Osvaldo Tambasco e Domingos de Almeida.

 

Em 08 de junho é fundado o Brotas Futebol Clube.

1928

É completada a abertura da via Anhanguera, ligando Campinas a Ribeirão Preto.

 

Realização das obras na Estrada de Ferro tendo por fim melhorar o traçado do ramal de Jaú.

 

Conclusão dos edifícios da atual Estação Brotas: estação, armazém, casa para chefe da Estação e quatro grupos de duas casas para empregados.

1929

A crise financeira internacional, iniciada com a Crise da Bolsa de Nova Iorque, abala a estrutura cafeeira paulista.

 

A usina pertencente à Cia. Força e Luz Brotas é vendida às Empresas Elétricas Brasileiras S. A.

 

Ficam concluídos os serviços de construção das variantes da Estrada de Ferro das proximidades de Brotas, sendo elas inauguradas em toda a sua extensão. É aberta, portanto, a atual estação de Brotas.

1930

O fluxo imigratório para São Paulo diminui.

 

Revolução que leva Getúlio Vargas a assumir o Governo Federal.

 

Fundação do Conselho Nacional do Café.

 

Em consequência da revolução, a Câmara Municipal recebe telegrama-circular do general Miguel Costa para que entregasse seus poderes às Juntas Libertadoras. Não tendo libertadores, a Câmara entrega os poderes à uma Junta constituída pelo presidente José Miguel dos Santos e pelos membros Antônio Lopes dos Santos. Antônio Balestrero. Francisco Uladislau de Figueiredo, João Pessa, Lourenço L. de Campos. Miguel Vieira Monteiro e João Modesto da Costa. Péricles de Albuquerque Pinheiro continua como prefeito.

 

Em 1 de novembro. Péricles de Albuquerque Pinheiro renuncia ao cargo de Prefeito Municipal. sendo substituído por José Miguel dos Santos.

 

É fundada a Associação Atlética Brotense.

1931

Lúcio Rosales é nomeado interventor municipal.

 

Da fusão do Brotas Futebol Clube com a Associação Atlética Brotense surge o Clube Atlético Brotense.

1932

Revolução Constitucionalista capitaneada pela oligarquia paulista contra o Governo Federal.

 

Em 02 de abril é fundado o Asilo Santa Therezinha do Menino Jesus. Sua diretoria é: Dr. Rodolpho Guimarães, ten. Benedito Quintino de Freitas, Joaquim Pedro de Jesus, Argemiro Soares de Moura. J. B. Teixeira de Almeida, Corino Balestrero e Augusto Inocêncio de Almeida. Mais tarde esse Asilo recebe o nome de Hospital Santa Therezinha.

 

Em l6 de julho, é inaugurado o jardim em frente à Matriz.

 

Em 17 de agosto é instalada a Casa do Soldado em Brotas sob a liderança de Isabel Silveira MelIo Soares, dona Sinhá, para auxílio à Revolução de 32.

 

Em 23 de outubro, extinção da Casa do Soldado.

1933

A população urbana de Brotas é de proximadamente 2.500 habitantes.

 

Assume interinamente o cargo de prefeito o cap. Raul C. Leite.

 

Américo Piva assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

As escolas rurais mistas estão localizadas em Campo Alegre, fazenda Sant'Anna, fazenda Paraíso, Bom Jardim, Santa Eulália, Laranjal, Espraiado, Nossa Senhora da Glória, Boa Vista do Jardim e Rasteira.

1934

Em 25 de março é fundada a Congregação Mariana. Presidente Osvaldo Tambasco, tesoureiro Oreste Nolla, secretário Benedicto Montezuma Magalhães.

1935

Felício José Balestrero assume o cargo de Prefeito Municipal.

1936

Péricles Albuquerque Pinheiro assume o cargo de Prefeito Municipal.

1937

Um grupo de comerciantes da cidade de Brotas resolve fundar a Associação Comercial, destacando-se Luís Bagnariol que doa um terreno na praça Amador Simões para a construção da sede.

1939

Início da II Guerra Mundial.

1940

Lingard Miller Paiva assume o cargo de Prefeito Municipal.

1941

A Cia. Paulista apresenta a eletrificação da linha Itirapina-Jaú, bitola larga, passando por Brotas.

1943

Em reunião da LBA, fica definida a abertura do Hospital Santa Therezinha.

1944

Conclusão das obras da usina de energia elétrica do Patrimônio.

1945

Movimento militar depõe Getúlio Vargas.

 

A produção de algodão do Estado de São Paulo atinge 75% do total brasileiro, suprindo a demanda das indústrias texteis.

1947

Criação da Associação Rural de Brotas, atual Sindicato Rural.

 

Rodolpho Guimarães assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

O Grupo Escolar de Brotas passa a se chamar Grupo Escolar "Dona Francisca Ribeiro dos Reis"

1948

Américo Piva assume o cargo de Prefeito Municipal.

1949

Criação do Ginásio Estadual de Brotas. Atualmente recebe o nome de EEPSG "Profa. Dinah Lúcia Balestrero".

1950

Inauguração da rádio de Brotas. Os proprietários são José Lucente, Antônio Perinoto e José Pinheiro Piva.

1951

As escolas rurais municipais passam ao Estado, sendo vinculadas ao Grupo Escolar "Dona Francisca Ribeiro dos Reis".

1952

Eduardo Alexandre Balestrero assume o cargo de Prefeito Municipal. Carlos Brino Filho é eleito como vice-prefeito e toma frente na Prefeitura durante parte do mandato.

 

Pavimentação do trecho Rio Claro-São Carlos da rodovia 310, Washington Luis.

1956

Américo Piva assume o cargo de Prefeito Municipal.

1960

Nos anos 60 até 80, intensifica-se o êxodo rural no país como um todo.

 

Álvaro Callado assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

Criação da Escola Técnica de Comércio Municipal de Brotas, atual EMSGES "Alvaro Callado". Sua aula inaugural foi em 1961.

1961

Em 21 de novembro é inaugurada a Casa da Criança.

1962

Criação do curso normal no Ginásio de Brotas que passa a se chamar "Escola Normal e Ginásio Estadual de Brotas".

1964

José Benedito Lopes de Castro assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

Abertura da Rodovia Engenheiro Paulo Nilo Romano, SP 225. Itirapina-Jaú.

 

Em 03 de maio é fundado o Clube de Campo de Brotas. Presidente Jorge Rudney Atalla, vice-presidente Benedito Carvalho Guimaràes Júnior, secretário José Perricelli, diretor técnico Elizeu Lourenção, tesoureiro José Waldemar Gamba.

1966

Em 26 de maio é inaugurada a atual sede da Vila Vicentina de Brotas, Sociedade São Vicente de Paulo.

1968

Abertura do Curso Colegial na atual EEPSG "Professora Dinah Lúcia Balestrero".

1969

É concluída a construção do prédio do atual Fórum, sendo inaugurado pelo desembargador Julio D'Elboux Guimarães.

 

Lourival Jaubert da Silva Braga assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

Escola Normal e Ginásio Estadual de Brotas transfere-se para prédio próprio.

1970

Brotas tem 5.362 habitantes na zona urbana e 6.600 pessoas na zona rural, totalizando 11.962 pessoas.

 

A população economicamente ativa está distribuída da seguinte forma: setor primário - 60%; setor secundário - 12%; setor terciário - 19%; outros 9%.

1971

Criação do Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Criação da Fepasa - Ferrovia Paulista S.A., como unificação das estradas de ferro da Cia. Mogiana, Cia. Paulista, Araraquara S. A., São Paulo e Minas S. A. e Sorocabana S. A.

1972

Abertura da Rodovia Américo Piva, SP 197, Brotas-Torrinha.

1973

Décio Aldo Bagnariol assume o cargo de Prefeito Municipal.

1975

Elaboração do Programa Nacional do Álcool, Pró-Álcool, para produção de álcool-combustível.

1977

A escola "Dona Francisca Ribeiro dos Reis" passa a oferecer classes de quinta a oitava séries.

 

Lourival Jaubert da Silva Braga assume o cargo de Prefeito Municipal.

1978

Em 11 de outubro é inaugurado o atual prédio da Casa da Agricultura.

1979

Em 02 de junho é fundada a Loja Maçônica Fraternidade de Brotas. Presidente Pedro Gregove, orador Roberval Chefer, secretário Osvaldo Felipe Matarezi.

1980

Brotas tem 7.510 habitantes na zona urbana e 3.750 na zona rural, totalizando 11.260 pessoas.

 

A população economicamente ativa está distribuída da seguinte forma: setor primário - 46%, secundário - 18%: terciário - 26%; outros - 10%.

1981

A Escola Técnica de Comércio, depois de mudar de nome várias vezes, recebe a denominação atual: Escola Municipal de Segundo Grau e de Ensino Supletivo "Álvaro Callado".

1983

Pedro Luís Ragassi assume o cargo de Prefeito Municipal.

 

Existem em Brotas as capelas de São João, Santa Cruz, Bela Vista e Vila Bandeirante, todas na zona urbana. Existem mais nove capelas rurais.

 

Em 02 de janeiro é criado o Três de Maio Futebol Clube. Presidente Ângelo Solbiati, primeiro vice-presidente Mauro de A. Pinheiro, segundo vice-presidente Orlando P. Barreto Neto, primeiro tesoureiro Rodiney A. Bertocco, segundo tesoureiro Flávio A. Simões, primeiro secretário Gibson A. Batista Júnior, segundo secretário Dalmiro J. Bertin, primeiro diretor patrimonial José Carlos de Jesus, segundo diretor Patrimonial José S. Camilo, diretor esportivo Anselmo A. de Mattos, diretor do departamento jurídico João Gervásio Cassaro, diretor de relações públicas Pedro C. Lourenção e Mário A. Zucchi, Conselho fiscal Hildebrando Surian, Pedro Jordani, Donizete A. Braga, suplentes Wladimir R. Brino, Donato Susi, Reinaldo Surian.

1985

Entre 1970 e 1985, as lavouras permanentes, inclusive de cítricos, mais que quadruplicam sua ocupação, aumentando de 1.104 ha em 1970 para 5.833 ha em 1985.

1986

Em 25 de agosto é fundada a APAE. Presidente Alcides Aparecido Pascoalotti, vice-presidente Joaquim Carlos Noronha, primeira secretária Solange Aparecida Telles, segunda secretária Nádia Balestrero Esteves, primeira tesoureira Valderez Apparecida Mattos Dalasta, segunda tesoureira Therezinha Jesus Mosca Signori, diretora patrimonial Bernadete Andrade Polaquini.

1988

Criação da EEPG "Professora Isabel Silveira Mello Soares - Dona Sinhá". Inicia suas atividades no prédio que atualmente abriga a Escola Municipal Álvaro Callado. Em agosto do mesmo ano a escola muda-se para o prédio que ainda hoje ocupa no bairro Taquaral.

 

Em 02 de agosto é fundado o Clube da Terceira Idade. Presidente Luiz Paulino Urbano, vice-presidente Américo Carvalho, primeiro secretário Hildebrando Surian, segunda secretária Maria Henriqueta Urbano Salviato, primeira tesoureira Célia de Figueiredo Paschoalotti, segunda tesoureira Therezinha de Jesus Mosca Signori, conselho fiscal Noêmia Carvalho Castro, Ermelinda Paschoalotti Lourenço, Cesarino Augustinho Gesueli.

1989

Ademar Gregolim assume o cargo de Prefeito Municipal.

1991

Brotas tem 10.843 habitantes na zona urbana e 3.501 na zona rural, totalizando 14.344 pessoas.

 

A população economicamente ativa está distribuída da seguinte forma: setor primário - 35%; secundário - 22%: terciário - 32%; outros - 11%.

 

Movimento popular repele a implantaçào do Curtume Cantúcio. Nasce daí o movimento Rio Vivo.

1992

Implantação da estação de tratamento de esgotos.

 

Conclusão do Estádio Municipal "Dr.Jorge Atalla", o "Brotão".

1993

Orlando Pereira Barreto Neto assume o cargo de Prefeito Municipal.

1995

Após longo período de decadência o Grêmio Literário e Recreativo passa ao poder da municipalidade por meio de desapropriação amigável. Começa a ser pensado um projeto para a implantação de um Centro Cultural no local.

 

Em 14 de dezembro a ECA da Universidade de São Paulo entrega ao Município um projeto de desenvolvimento turístico.

1996

Brotas é a primeira cidade a receber o projeto de ensino móvel profissionalizante, ministrado em vagões ferroviários especiais. Trata-se de um convênio entre FEPASA, SESI e SENAI. Tem o apoio do governador do Estado Mário Covas e do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, Dr. Carlos Eduardo Moreira Ferreira.

 

Existem no Município de Brotas as seguintes escolas: Rede Estadual: EEPSG "Profa. Dinah Lúcia Balestrero", EEPG "Dona Francisca Ribeiro dos Reis" e mais seis escolas rurais vinculadas a ela, sendo duas escolas na fazenda Mundo Novo, duas escolas na fazenda Santa Eulália e duas escolas no Bairro Patrimônio, EEPG "Profa. Izabel Silveira Mello Soares -Dona Sinhá". Rede Municipal: EMSGES "Álvaro Callado".

 

Rede Municipal de Educação Infantil: três classes na ''Álvaro Callado', quatro classes na EMEI "Runer Baltazar", seis classes na EMEI "Maura Lopes de Castro", quatro classes na EMEI "José Lucente", duas classes na EMEI "São João", duas classes na EMEI da Casa da Criança, uma classe na EMEI do "Centro Comunitário", uma classe na EMEI "Santa Eulália" e uma classe na EMEI do Patrimônio. EMEE (Escola Municipal de Ensino Especial) no Patrimônio de São Sebastião. Rede Particular: Curso Universitário, Escola de Educação Infantil "Construindo", Escola de Educação Infantil "Saci-Pererê".

 

Convênio entre a Prefeitura Municipal e a FIESP, representada pelo presidente Dr. Carlos Eduardo Moreira Ferreira para implantação de uma incubadora de indústrias em Brotas. Faz parte do Plano de Industrialização que visa à geração de empregos e ao crescimento da economia municipal.

 

Inauguração da Estação Rodoviária de Brotas, denominada "Miguel Osti".

 

Inauguração do Centro Cultural Grêmio Literário e Recreativo Brotense.